A linha de pesquisa de Engenharia de Software da COPPE/UFRJ existe desde 1985, e durante a sua existência formou cerca de 150 mestres e 30 doutores. Atualmente, a linha é composta por uma equipe de 50 membros, sendo 3 professores com dedicação exclusiva, 1 pesquisador, 24 alunos de doutorado, 19 alunos de mestrado, 5 alunos de iniciação científica, 4 estagiários e 2 membros de apoio. No decorrer da sua existência, a linha tem atuado em 3 diferentes frentes: ensino, pesquisa e transferência de tecnologia com a indústria. 
 
Na frente de ensino, as seguintes disciplinas são oferecidas regularmente nos cursos de graduação, mestrado ou doutorado da UFRJ:
  • COS721 - Controle e Qualidade de Software
  • COS722 - Engenharia de Software Orientados a Objetos
  • COS723 - Reutilização de Software (desde 1992)
  • CPS823 - Desenvolvimento baseado em Componentes (desde 2000)
  • CPS820 - Engenharia de Software Experimental (desde 2001)
 
Na frente de pesquisa, a linha já publicou mais de 400 artigos em conferências (e.g., ICSE, ESEC/FSE, ASE, OOPSLA, ISESE, PROFES, EURO-SPI, LSO, QUATIC, ICSR, SEKE, SBES, SBQS e SBCARS) e mais de 60 artigos em revistas (e.g., IEEE Transactions on Software Engineering, Journal of Systems and Software, Journal of Software Process: Improvement and Practice, Advances Engineering Informatics, Empirical Software Engineering Journal e Science of Computer Programming). Essas publicações são resultado de mais de 40 projetos de pesquisa desenvolvidos pela linha (e.g., TABA, Odyssey, Brechó, eSEE, Memphis e CORE-KM), financiados pelas agências de fomento CNPq, CAPES, FINEP e FAPERJ. Além disso, a linha já contribuiu na elaboração de 10 livros e capítulos de livros, e tem seus ex-alunos atuando em diversas instituições relevantes na academia (e.g., UFRJ, UFF, PUC-Rio, UFRGS, PUC-RS, UFJF, UFMG, UA, UCB, UFES, UNIRIO, UERJ e UFC) ou na indústria (e.g., Petrobrás, Embratel, Ministério do Exército, Ministério da Marinha, Siemens, BNDES, Dataprev, IBGE, Vale do Rio Doce e Xerox do Brasil). 
 
Na frente de transferência de tecnologia com a indústria, a linha já atuou em mais de 100 projetos, apoiando empresas por meio de treinamento, consultoria e desenvolvimento de técnicas ou ferramentas de engenharia de software para contextos específicos. Essa interação fornece um ambiente propício aos alunos para a aplicação prática das técnicas estudadas, e avaliação de resultados obtidos pelas dissertações e teses, servindo como um elo entre as frentes de ensino e pesquisa. Além disso, a linha de pesquisa tem forte atuação no Programa MPS.BR (Melhoria de Processo do Software Brasileiro) sendo responsável pela coordenação da equipe técnica do modelo. É também uma Instituição Implementadora e Instituição Avaliadora do MPS.BR. Dentre as empresas em que a linha já atuou ou ainda atua, estão:
  • Aeronáutica
  • Banco Central do Brasil
  • BNDES
  • Cedae
  • CEPEL
  • Embrapa
  • Embratel
  • HP
  • IBM Brasil
  • Ministério da Marinha
  • Petrobras
  • Riosoft
  • Softex
  • Tribunal Superior Eleitoral
 
Para viabilizar o intercâmbio de idéias e pessoas com centros de excelência em âmbito mundial, a linha tem mantido parcerias com diversas universidades e centros de pesquisa, seja desenvolvendo projetos de pesquisa, seja enviando regularmente seus alunos para esses locais e recebendo visitas de pesquisadores renomados para palestras e reuniões de trabalho. Dentre essas universidades e centros de pesquisa, estão:
  • RAND Corporation
  • Siemens Corporate Research

  • Universidade da Califórnia, Irvine
  • Universidade de Auckland
  • Universidade de Maryland
  • Universidade de Roma "Tor Vergata"

  • Universidade Estadual do Mississippi

  • Universidade Politecnica de Valencia

 
Finalmente, nesses anos de existência, mais de 50 prêmios foram obtidos pela linha, dentre eles:
  • Contribuições relevantes à Engenharia de Software no Brasil, SBC
  • Finalista do The World Technology Award for Information Technology, World Technology Network
  • Prêmio Dorgival Brandão Júnior (1 vez primeiro lugar, 2 vezes segundo lugar e 2 vezes terceiro lugar)
  • ACM Distinguished Paper Award (conferência ASE)
  • Melhor artigo da conferência UML (atual MODELS)
  • Melhor artigo da Sessão de Ferramentas do SBES (recebido por 5 vezes)
  • Melhor artigo do Workshop de Manutenção de Software Moderna
  • Melhor artigo técnico do SBQS (recebido por 3 vezes)
  • Melhor tese do SBQS (D.Sc. e M.Sc.)
  • Melhor relato de experiência do SBQS (recebido por 2 vezes)
  • Excelência Acadêmica para Desenvolvimento de Projeto de Engenharia de Software, Microsoft
  • ACM Distinguished Services Award (Conferência ISESE)

  • Melhor artigo da conferência ISESE (atual ESEM)

Go to top